Newsletter
Ciência e Cultura - Agência de notícias da Bahia
RSS Facebook Twitter Flickr
Atualizado em 11 DE fevereiro DE 2015 ás 16:22

“Homo erectus”:quando uma cidade do interior da Bahia sofreu com epidemia de priapismo em 1906

O médico baiano Pirajá da Silva (1873-1961), descobridor da esquistossomose no início do Século 20, descobriu outra doença rara no sertão baiano, o priapismo.

WAGNER FERREIRA*
press.wagner@gmail.com

Por mais inusitadas que possam ser as descobertas resultantes da busca pelo saber científico, o médico baiano Pirajá da Silva (1873-1961), descobridor da esquistossomose no início do Século 20, não imaginava que participaria de outra descoberta, no mínimo folclórica, no sertão da Bahia.

Em 1906, o farmacêutico da cidade de Serrinha (a 158 km de Salvador), Leobino Cardoso Ribeiro, foi chamado pelo proprietário da fazenda Malhadas, Ricardo Carneiro, que ficava a três léguas do município, para tentar descobrir o porquê de tanto homens e animais terem sidos acometidos por ereções repentinas naquela localidade.

Ao fim da sua investigação, o farmacêutico concluiu que todos os moradores daquela zona rural sofriam de priapismo, doença que tem como principal sintoma a ereção permanente do pênis. O nome da moléstia vem do deus Príapo, da mitologia grega, conhecido como o deus da fertilidade. A imagem dele é representada por um homem com um pênis exageradamente grande e sempre ereto.

Homens que sofrem com impotência sexual ou se sinta insatisfeito com seu desempenho na hora do sexo, podem achar estranho classificar tal condição de enfermidade. Mas as reações do priapismo podem ser bastante danosas, a exemplo da dor sentida no pênis enquanto for mantida a ereção – que dura em média 4 horas. Apesar da ausência de estímulo físico e psicológico, o órgão não retorna ao estado de flacidez e a consequência pode ser a impotência sexual definitiva.

Livro de anotações - O registro da passagem histórica foi feito pelo também médico e biógrafo de Pirajá da Silva, Edgar de Cerqueira Falcão no livro: Pirajá da Silva o Incontestável Descobridor do Schistosoma Mansoni, lançado em 2008 pelo Ministério da Saúde em homenagem ao centenário do célebre pesquisador baiano, que registrara as conclusões do farmacêutico em seu livro de anotações médicas e concluiu que;

- A origem de tal enfermidade surgiu de um tanque cuja água se servia pessoas e animais do lugar;

- As propriedades excitantes da água advinham de uns insetos semelhantes a besouros que infestaram a localidade e pousavam na superfície da água.

As provas foram evidenciadas porque somente as pessoas e até o próprio gado, que se servia da água maravilhosa, após sofrer do mal, não mais procurou o tanque.

O Fim da epidemia veio com a seca do tanque e, consequentemente, o desaparecimento dos insetos. Com isso, por terem deixado de fazer uso da água, não houve mais relatos da moléstia.

*Jornalista especialista em Jornalismo Científico e Tecnológico pela Ufba.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *